Adiar aposentadoria aumenta benefício do INSS em até 67,65%

destaque

Com a nova fórmula 85/95, que garante benefício integral, pode valer a pena trabalhar até três anos mais.

A espera pode valer a pena. Os trabalhadores que adquiriram ou vão ter nos próximos meses o direito à aposentadoria integral por tempo de contribuição podem trabalhar um pouco mais e se beneficiar com as mudanças acordadas na semana passada entre Governo e centrais sindicais. A principal delas é a fórmula 85/95, que ameniza os efeitos do fator previdenciário.

Quem completar 95 anos (85, se mulher) na soma de idade e tempo de contribuição poderá se aposentar com benefício integral, sem as perdas do fator. Isso significa basicamente ter 60 anos de idade e 35 de contribuição, mas existem outras situações. No entanto, para quem aguarda á anos o momento de pendurar as chuteiras, continuar trabalhando até a mudança em vigor pode dura uma eternidade.

Para o advogado Edson Machado Filgueiras Jr., é preciso antes de tudo fazer contas para saber se vale a pena. Em uma simulação do consultor previdenciário Newton Conde, esperar três anos pode aumentar o benefício em 67,65%. É o caso de uma mulher com 50anos de idade e 30 de contribuição, tendo sempre pago o INSS sobre quatro salários-mínimos (R$1.437).

Se quisesse se aposentar agora, o valor a receber seria de R$870,81. Isso porque o fator reduzia a aposentadoria em 40%. Porém, se esperasse três anos, teria 53 de idade e 33 de contribuição. Como a soma teria o resultado 86, poderia se beneficiar com a fatura regra e receberia o benefício de R$ 1.460.

No caso de um homem que também tenha contribuído sobre quatro mínimos, com 56 anos a 35 de contribuição, o ganho da espera seria de 34,69%. Se pedisse a aposentadoria hoje, teria perde de 25% com o fator e se aposentaria com R$ 1.083,95. No entanto, se aguardasse mais dois anos, teria 58 de idade e 37 de contribuição. Assim, com a soma 95, teria o benefício de 100%, ou R$ 1.460. De acordo com Filgueiras, vale a pena esperar se falta pouco para chegar continuar trabalhando porem rapidamente recuperadas com a aposentadoria de 100%à fórmula e se a perda com as contribuições ao INSS enquanto continuar trabalhando forem rapidamente recuperadas com a aposentadoria de 100%. É bom lembrar que, se abrir mão do direito á aposentadoria, o segurado deve continuar contribuindo para ser beneficiado pela soma 85/95.

A mudança deve ser aprovada no Congresso e passar pela sanção presidencial. Segundo o relatou Pepe Vargas (PT-RS), isso pode ocorrer neste ano.

Compartilhe

Deixe sua mensagem